Radiohead – Álbuns

      São sete álbuns em seu catálogo, produzidos entre os anos de 1993 e 2007. Observa-se, desde o disco “Pablo Honey” (1993), com seu primeiro grande sucesso, “Creep”, uma temática relacionada a paranóia e a autodestruição. Seu segundo álbum, “The Bends”, lançado em 1995, explora questões como alienação e consumismo, o que chamou atenção e diferenciou esta banda, dos temas que dominaram a invasão do britpop nos anos 90. Em, “OK Computer”, de 1997, a banda, então amadurecida, apresenta um álbum conceitual, no qual o temor de se viver num mundo administrado por computadores, – tema que transpassa boa parte das canções do disco, não só relembra uma atmosfera de opressão, mas lhe concede feições contemporâneas. Este álbum, aclamado pela crítica e público como um disco revolucionário, apresentava as ansiedades com o novo milênio e os avanços tecnológicos que se aproximavam.

       “Kid A”, lançado em outubro de 2000, é o resultado de investimentos em um som eletrônico pesado, distante das raízes roqueiras, difícil de definir. O título do disco, segundo a banda, refere-se ao nome do primeiro clone humano que estaria para acontecer. Suas canções falam de um futuro temerário em que o ser humano tenta fazer o papel de Deus, conduzindo o desenvolvimento da humanidade. No sexto álbum da banda, “Hail to the Thief”, observa-se novamente o tom paranóico e a visão pessimista de um mundo absolutamente controlado e manipulado, funcionando, para muitos, como a trilha sonora de uma nova época em que predominava a retórica do terrorismo e da guerra para combatê-lo.

      Em 2007, o sétimo álbum da banda, “In Rainbows”, foi lançado fora das grandes gravadoras, e disponibilizado na íntegra para download pela internet, cabendo ao público decidir quanto queria pagar por ele. Uma revolução na indústria musical, mas um álbum na medida, balanceando parte da vibração mais rock, com efeitos eletrônicos, atmosferas, influências de jazz e arranjos elaborados. Demonstra também um equilíbrio entre o lado existencialista e sombrio, e uma nuance mais delicada na temática da banda, com letras inspiradas num cotidiano familiar característicos da vida pessoal dos seus componentes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: